Algum trabalho recente

Dois livros concebidos para duas small presses, uma americana e outra inglesa, que marcam o meu primeiro contacto com editores estrangeiros (com um agradecimento ao Luís Rodrigues, por ter feito as apresentações).

harshoases1

Para a PS Publishing, concebi a sobrecapa da edição de Harsh Oases (algo como “Oásis Agrestes”) de Paul di Filippo. A imagem do quadro O Encantador de Serpentes (1907) de Henry Rousseau (já algo “batida” no que toca ao uso em capas, apesar de ainda muito bela) foi-me imposta, e tratou-se sobretudo de criar aqui um ambiente (literalmente) envolvente a partir de alguns elementos centrais, tal como a vegetação, que “multipliquei” ao longo do plano. A única intervenção visível na capa é a forma como a serpente passa por entre a voluta do S.
A paginação, à boa maneira anglo-americana, foi feita à parte, pelo que o volume, para quem o abre, não possui uma grande uniformidade tipográfica (a Filosofia para o texto e a Mailart Rubberstamp para o título, que usei na sobrecapa, não são usadas dentro). Mas a impressão visual global do livro tal como sai da caixa é agradável.

harshoases2

Com o trabalho em Tides from the New Worlds de Tobias Buckell (para a Wyrm Publishing de New Jersey) deu-se uma certa inversão dos dados. Apesar de gostar bem menos da ilustração (mais uma vez imposta) com que tive de compor a sobrecapa (da autoria de Brian Dow), a possibilidade de compor também o texto no interior permitiu a criação de um volume muito mais uniforme e agradável.

tides
Usando como mote o conceito de tides (correntes, marés), e um detalhe da ilustração, adaptei de uma fonte cursiva algumas volutas que depois usei de forma decorativa tanto junto à tipografia da capa, como em fundo na contra-capa e badanas e nas páginas iniciais do miolo. Para além da Sabon para o texto, usei como fonte display a Agency por me dar um bom contraste com a extrema organicidade da ilustração e por possuir uma ligeira condensação no seu desenho, ideal para aproveitar o pouco espaço que tinha “livre” para compor a tipografia com a ilustração. Tal como no primeiro livro, a paleta seguiu a da ilustração central (se bem que, aqui, apenas usei a gama mais fria dos azuis): em ambos os casos, tratou-se de criar uma extensão gráfica harmoniosa para uma ilustração central imposta.

SOME RECENT WORK
Two books conceived for two small presses, one in America, the other in the UK (with a thank you to Luis Rodrigues for having made the introductions).

For PS Publishing, I created the dustjacket for Paul di Filippo‘s Harsh Oases. The art was a photo of  “Douanier” Henry Rousseau‘s The Snake Charmer (1907), a picture already used (sometimes abused) to some extent on book covers over the years, but still quite beautiful and… yes, strangely charming. I set upon to create a (literally) involving graphic atmosphere from some central elements of the painting, like the vegetation, which I “multiplied” and placed along the back cover and flaps. On the cover, I made the snake slide over the curve of the last S. Text setting on the inside, in good old fashioned Anglo-American way, was done elsewhere, so that (in my opinion) the final volume lacks typographic coherence (Filosofia and Mailart Rubberstamp, which I used on the DJ, were not used inside). Still, the general visual impression of the book as it slides from the slipcase remains quite pleasant.

With Tobias Buckell‘s Tides from the New Worlds (published by New Jersey’s Wyrm Publishing company) there was a certain inversion of what happened with the book above. Although I liked the art by Brian Dow (again imposed within the comission) considerably less than I did Rousseau’s painting, this time the possibility to also set the text inside made for a more rewarding experience and a typographically much more uniform book.
Taking the concept of tides, and a convoluted shape rising from the waters in the art, I adapted some cursive font’s ornaments and used it as a decorative wavy graphic detail on the titles and as a background pattern on the back cover and flaps.
Apart from Sabon, I used only Agency for the titles, which gave me a good contrast to the extreme organicity of the picture and a good measure of condensation in its design, given the small space I had to place the typography. As in the first book, the color palette followed the picture’s (although here I mainly followed the cold and neutral blues): in both cases, the goal was to create a harmonious graphic extension to an imposed image.

Leave a comment

Filed under Capas, Da casa

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s