Cieslewicz: Londres sim, Lisboa não?

Nem vou perguntar como é que nunca houve em Portugal uma exposição de trabalhos de Roman Cieslewicz, sobretudo na fase “posh”, pós-Experimenta. Apetecia-me perguntar a quem de direito (Experimenta?, MUDE?, Serralves?, Gulbenkian?), mas não vou.
Vou apenas perguntar isto: se as Galerias Calouste Gulbenkian do Royal College of Art de Londres abrem uma exposição (artigo do blogue da Eye de onde retirei a foto em cima) dedicada ao gráfico franco-polaco, poderemos ter esperanças de a ver também na Gulbenkian de Lisboa, ainda este ano?

Addendum: a resposta a esta pergunta chegou já, pela mão de Sonya Barber da RCA, que em email escreve: “Unfortunately, the exhibition will not be travelling.” Gulbenkian Londres, 1 – Gulbenkian Lisboa, 0.

3 Comments

Filed under Eventos, Soltas

3 responses to “Cieslewicz: Londres sim, Lisboa não?

  1. Luisa

    Concordo que uma exposição do Roman Cieslewicz em Lisboa seria fantástico. Porque o trabalho dele é óptimo e porque não há exposições suficientes (e inteligentes) de design gráfico e de comunicação. mas, qto à questão Gulbenkian Londres – Lisboa, as galerias Gulbenkian em Londres da RCA não têm nenhuma relação com o CAM – Gulbenkian ou o museu Gulbenkian em Lisboa. o nome das galerias da RCA é ‘apenas’ relativo ao apoio que a RCA recebeu para aquele espaço e por isso homenageou com o nome.

    não estou a justificar a ausência de uma exposição do Roman Cieslewicz em Lisboa (ou no Porto ou em Coimbra ou em qq outra cidade) mas não há de facto relação entre ‘as’ Gulbenkian. diria q uma exposição de um designer gráfico deveria acontecer no MUDE. tal como outras exposições de design gráfico que parece passar tão despercebido à colecção do MUDE.

    • Muito obrigado pela visita, Luísa.

      A relação entre as galerias Gulbenkian da RCA e a casa-mãe da fundação em Lisboa, através da sua casa de Londres, era-me desconhecida e é, sem dúvida, pertinente, pelo que lhe agradeço que a aponte, mas permiti-me essa pequena omissão no que à natureza dessa relação diz respeito, para – usando o icónico e tão “nacional” nome Gulbenkian – tornar mais evidente o facto de que começa a ser estranho ver tantas boas (e relativamente pequenas, leia-se, baratas de montar) exposições de design gráfico a passarem ao lado, ou por cima, ou por baixo, de Lisboa (o Porto parece estar, infelizmente, fora destas possibilidades).

      Quanto ao MUDE, escrevi já um texto no PNetDesign (http://www.pnetdesign.pt/?p=1333), e não tenho tido, infelizmente, razões para o corrigir. Está aí uma exposição de vespas que não me deixa fazê-lo…

  2. Luisa

    Concordo em absoluto. E gostei imenso do texto sobre o ano de nada ou quase nada do MUDE. tenho alguma curiosidade da reacção da direcção do MUDE à proposta desta exposição que é de facto de montagem barata. há custos elevados para o transporte mas como a exposição está em londres, há imensos apoios possiveis. não percebo como não se fazem exposições com pensamento crítico sobre design num – dito – museu do design. que poderia chamar-se museu do design de equipamento. É tentador propor esta exposição ao MUDE. nem que seja para saber a resposta. e quem sabe não haveria 1 surpresa agradável? tenho dúvidas mas é tentador.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s