Tag Archives: Afrodite

“Editor Contra” na RTP2

O livro EDITOR CONTRA no episódio 29 do programa “Literatura Aqui” exibido a 5 de Abril de 2016 na RTP2 (a partir do minuto 13:45). O livro pode ser comprado aqui.

LiteraturaAqui050416_6LiteraturaAqui050416_5LiteraturaAqui050416_4LiteraturaAqui050416_3LiteraturaAqui050416_2LiteraturaAqui050416_1LiteraturaAqui050416_9

Leave a comment

Filed under Da casa, Livros

Uma “insólita ofensiva de corrupção”

Dia 29 de Março, Terça-feira, às 18:30 horas, na Biblioteca Nacional em Lisboa.

BN-290216

Leave a comment

Filed under Da casa, Eventos

“Editor Contra” no Expresso

2015.12Texto de José Mário Silva na revista “E” do Expresso de 31 de Dezembro de 2015, pp. 68-69. Pode ser lido na íntegra aqui.

Leave a comment

Filed under Da casa, Imprensa, Livros

Entrevista no jornal i sobre a Afrodite e Fernando Ribeiro de Mello

A minha entrevista ao Diogo Vaz Pinto, a propósito do lançamento do livro Editor Contra: Fernando Ribeiro de Mello e a Afrodite saiu ontem no jornal i. (Imagens via blogue O Melhor Amigo). O livro pode ser comprado no site Montag.

FRM1

FRM2

FRM3

FRM4

Leave a comment

Filed under Da casa, Imprensa, Livros

“Editor Contra: Fernando Ribeiro de Mello e a Afrodite”: à venda

EDITOR-CONTRA-capa1

Finalmente, à venda o primeiro livro dedicado ao lendário “editor maldito” por excelência na última década do Estado Novo, Fernando Ribeiro de Mello, e à sua “pseudo-editora”, a Afrodite. Dele escreveu a censura, em 1966, que personificava a mais “insólita ofensiva de corrupção” a que o regime assistira em quarenta anos de existência. Pode ser adquirido aqui.

EDITOR-CONTRA1

EDITOR-CONTRA3

EDITOR-CONTRA4

EDITOR-CONTRA5

EDITOR-CONTRA6

EDITOR-CONTRA7

EDITOR-CONTRA8

Leave a comment

Filed under Da casa, Livros

Em breve

EDITOR-CONTRA_mailing-1

Leave a comment

23.11.2015 · 12:43 pm

“Resina de nudez fricção narcótica”

VinhoeaLira7

VinhoeaLira1

Quando lançou este livro de poesia de Natália Correia em Abril de 1966, o editor Fernando Ribeiro de Mello estava em plena corrida à frente da censura, uma corrida que começara no seu primeiro livro, o Kama Sutra, lançado menos de um ano antes. Tinha, por então, já três livros proibidos pela censura, dois dos quais estariam no centro de outros tantos processos no Tribunal Plenário. O Vinho e a Lira não foi excepção: seria, em breve, o quarto livro da Afrodite a ser incluído no “Index” censório do Estado Novo. Seria seguido por mais duas edições proibidas, o que, no total, daria uma série até então inédita (e jamais repetida até ao fim do serviço de censura) de seis livros consecutivos de um pequeno editor proibidos no espaço de menos de ano e meio. Foi o suficiente para cimentar a fama do editor “maldito” que seria o sustento de Ribeiro de Mello até à Revolução de 1974.

De todas as edições dessa série “maldita” inicial, esta é aquela em que o editor mais apostou num conceito de “livro objecto”, reforçando a marca visual muito forte que fora já notória na Filosofia na Alcova ou na Antologia da Poesia Portuguesa Erótica e Satírica, e, com particular felicidade, nas fotografias de Sena da Silva para A Vénus de Kazabaika. Neste caso, essa marca está no acabamento: a tipografia discreta é um perfeito contraponto à surpresa táctil que é a superfície aveludada da capa cor de vinho, protegida por uma sobrecapa plástica, transparente e maleável, onde a tipografia da lombada se imprime: o contraste entre a lisura da sobrecapa e a textura da capa é, todo ele, uma homenagem sensorial à poesia da autora.

Ribeiro de Mello devia muito a Natália, que “amadrinhara” o arranque da sua carreira de editor, e parece claro que sentiu a necessidade de a compensar com estes requintes para um simples livro de poesia, algo por esses dias – tal como hoje, aliás – muito pouco usual. Perfeita ilustração dessa “fricção narcótica” do verso da autora, os requintes gráficos deste O Vinho e a Lira (um dos “pequenos livros esquecidos” da Afrodite) aproximavam verdadeiramente o editor daquele de quem o diziam “émulo”, Jean-Jacques Pauvert, que por então fabricava (com o designer Pierre Faucheux) pequenos livros que apostavam no prazer e na tensão tácteis, como as edições de Le Mort e Histoire de l’Oeil de Georges Bataille.

VinhoeaLira2

VinhoeaLira3

VinhoeaLira8

VinhoeaLira56

1 Comment

Filed under Livros